Quinta-feira, 24 de Abril de 2014

25 de Abril,homenagem a um amigo

Confissões de um soldado - homenagem a um amigo.
Como todos os dias, à hora determinada, tinha sido feito o toque de recolher e o silêncio reinava na camarata. Repentinamente, acendem-se as luzes e irrompem por entre as camas o capitão, o aspirante e dois furriéis. O soldado Rodrigues esfrega contrariado os olhos e pensa para si: lá vem mais uma instrução nocturna…
Repara, porém, que o capitão apresentava um ar de gravidade e de decisão diferentes do habitual.
Depois de todos em pé, o capitão dirige-se grave e solenemente a todos, com voz pausada mas potente e bem colocada :
-Meus senhores! Estou aqui para vos dizer que esta noite qualquer coisa de especial vai acontecer. Vamos pôr em marcha uma revolução para derrubar o governo e acabar com a ditadura e a guerra. Para tal contamos com a colaboração de outros camaradas em todo o país. A nossa missão é marchar sobre Lisboa e derrubar ainda esta noite o governo fascista e neutralizar a pide!
Enquanto o capitão se declarava, o soldado Rodrigues olhava em redor e verificava que a situação era, de verdade, extraordinária e ouviu, clara e frontalmente, aquele homem que ali estava decidido a enfrentar todos os desafios, dizer-lhes ainda:
-Não vos escondo que a missão é difícil e complicada, pondo mesmo em risco as nossas vidas e o nosso futuro. Podereis nunca mais ver a vossa família e ser perseguidos para toda a vossa vida se a nossa actuação não for coroada de sucesso.
Rodrigues ouviu a voz forte e determinada do capitão perguntar com galhardia:
- Quem quer vir comigo fazer a revolução?
Fez-se um breve silêncio. O Rodrigues, soldado beirão duro como os penedos da sua serra, empertigou-se e dando um passo em frente, respondeu alto e claramente:
- Eu, meu Capitão!. Eu alinho até ao fim!
Levantou-se um coro de adesões:
- E eu, e eu, e eu …e no final um coro de : vamos todos !!!
-Então preparem-se que vamos já sair.
Tal como pedido a prontidão da tropa foi imediata. Ligaram-se os motores e à passagem apeada do capitão o Rodrigues olhou-o nos olhos, como sempre fazia quando estava em frente de outro homem, e verificou que o acompanhava qualquer coisa que o fazia diferente dos outros, mas que ele, naquele momento,não conseguia compreender.
À ordem, a coluna arrancou. Pelo caminho o Rodrigues ia pensando que era altura de acabar com a miséria que grassava na sua terra.
.
A tempo e na hora marcada, a coluna começou a cumprir os seus objectivos. O capitão, sereno e decidido, era a figura de tudo aquilo que nós queríamos que ele fosse e que ele, na verdade, era. Um comandante competente, eficaz e humano. Quase como um pai, a quem estávamos dispostos a seguir, sendo preciso, até ao inferno.
Em Lisboa tudo se passa como um turbilhão de ondas incomensuráveis que nos arrastam para lugares e situações totalmente incompreensíveis e inexplicáveis. Que confusão assaltou as nossas cabeças! Que coisas nos gritavam aquelas multidões extasiadas de alegria, que gritavam democracia, fim da guerra colonial, davam vivas à democracia e gritavam por uma revolução, chamavam o nosso capitão pelo nome, havia muita gente a tirar fotografias e a bater-nos palmas como se nós fossemos os salvadores da pátria. Pela nossa cabeça desfilavam uma quantidade de coisas impossíveis de entender.
Assim nos mantivemos este dia, seguindo o nosso capitão e seguindo o dia decisivo das promessas que ele nos fizera ao sairmos do quartel. Mas continuava tudo muito confuso nas nossas cabeças, para nós, que apenas saímos das nossas terras para assentar praça num qualquer lugar distante da nossa terra e da nossa família, estávamos agora a ficar sem orientação.
Valia-nos a sempre atenciosa ajuda do capitão, sempre ele e os seus milicianos, para ajudar a suportar a nossa nova vida e a entender o que as multidões, que nos louvavam, gritavam com toda a força dos seus pulmões. Que queriam eles dizer com liberdade, democracia, socialismo, liberdade para as mulheres, abaixo o fascismo, morte à pide, e quem eram aqueles senhores que viviam no estrangeiro e estavam de volta e nós nem sequer conhecíamos ?
Notava-se facilmente que todas as pessoas estavam muito alegres e espalhavam abraços pelos militares. E, nós, a quem o capitão disse que vínhamos fazer a revolução, ainda nem um tirinho tínhamos dado. Fazia-nos impressão que o nosso capitão andasse sempre apressado de um lado para o outro, falava e gesticulava com uns figurões desconhecidos, via-se que o nosso capitão era o herói daquela multidão que pedia para assaltar o quartel e prender os fascistas que lá estavam dentro e que o nosso capitão lá entrou sozinho para os enfrentar, sem medo nenhum deles e mandou dar uns tiritos para a parede a fim de lhes meter cagaço. E a algazarra que todos fizeram quando aqueles tipos saíram foi uma coisa que nunca mais me esqueceu!
Ofereceram-nos até flores, um cravo vermelho como aqueles que eu via nas casas das raparigas novas lá da minha terra. Puseram-no no bolso da minha casaca e a outros até lhos meteram nos canos das espingardas.
Viemos para o quartel tal como tínhamos ido. Em silêncio, mas agora com a cabeça cheia de coisas por explicar.
O capitão falou e disse que tínhamos cometido um acto heróico em favor do nosso povo e que, por isso, éramos dignos de louvor e que ele nada teria feito sem a nossa ajuda. Mas o que nós víamos é que era um grande homem e um excelente militar, era ,como já disse, uma espécie de pai para nós.
Como prémio concedeu-nos uma breve licença, dizendo que nós éramos os seus soldados e que ele sem os seus soldados não era nada!
Chegado à minha terra comecei a compreender que na verdade algo de muito importante aconteceu.
E aconteceu. Sei agora que aconteceu uma coisa importante para todos. Aconteceu o 25 de Abril!
Guardei religiosamente o cravo que me deram em Lisboa e ofereci-o à minha mãe!
publicado por valverdinho às 23:03
link do post | favorito

Para que serviu o 25 de Abril

1976- INQUÉRITO GERAL –URBANÍSTICO E SÓCIO ECONÓMICO – feito pela Empresa CIPRO para a Câmara Municipal
Habitantes 1144 Famílias – 394 Fogos – 303


IDADE DOS EDIFÍCIOS
+ 50 ANOS 50 %
20 – 30 18%
10 – 20 5%
- 10 anos 27%

ESTADO DE CONSERVAÇÃO DOS EDIFÍCIOS
Bom 36%
Regular 46%
Mau ou inabitável 18%

Regime contratual da habitação
Própria 50%
Alugada 36%
Cedida ou emprestada 14%

Fogos com retrete 27%
Fogos sem retrete 73%
Fogos com duche/banho 21%
Fogos sem duche/banho 73%
Fogos sem qualquer tipo de instalação sanitária 418
Fogos com esgoto 21%
Fogos sem esgoto 73%
Fogos com água canalizada 41%
Fogos em água canalizada 59%
Fogos com electricidade 86%
Fogos sem electricidade 14%


FAMÍLIA
1 PESSOA 9%
2 pessoas 14%
3 pessoas 27%
4 pessoas 41%
5 pessoas 5%
6 pessoas 4%
Dimensão média da família 2,90
ESTRUTURA ETÁRIA
0-4 anos 8%
4-8 8%
7-10 14%
11-12 1%
13-15 1%
16-17 4%
18-25 7%
26-40 27% (606)
41-65 19%
+ 66 11% (121)
População masculina 595
População feminina 549

GRAU DE INSTRUÇÃO DA POPULAÇÃO RESIDENTE
Analfabetos 11%
Sabe ler e escrever 13%
4ª classe 46%
Ciclo preparatório 10%
5º ou 7º ano 10%
Curso médio ou superior 10%
Têm pelo menos a 4ª classe 76%

SITUAÇÃO PERANTE O TRABALHO
Menores 16%
Estudantes 21%
Domésticas 22%
Reformados 7%
Doentes/inválidos 1%
Desempregados 1%
Activos 29% (8+21)
Activos por conta própria 8%
Activos por conta de outrem 21%
Outros 3%

PROFISSÃO DOS ACTIVOS
Agricultor/trabalhador rural 20%
Trab. Construção civil/operário 24%
Comerciante 14%
Func. Públicos ou serviços privado 14%
Professores 14%
Outras 14%
Sectores : primário 20%
Secundário 24%
Terciário 56%

SALÁRIOS MENSAIS DO AGREGADO FAMILIAR
- de 1.000 esc. 3%
1.000 – 2.000 9%
3.000 – 4.000 5%
4.000 – 5.000 3%
5.000 – 6.000 16%
6.000 – 7.5000 16%
7.500 –10.000 13%
10.000 .- 15.000 13%
+ de 15.000 5%
Variável 5%


EMIGRAÇÃO
Total de emigrados 515 – 31% da população

França 61%
Alemanha 3%
Região de Lisboa 12%
Outras regiões do país 24%

TELEFONES- Lista telefónica do concelho do Fundão- ano de 1971.

VALVERDE
Nome Número
Almeida, João José Roque de 52513
Baptista, José da Silva 52225
Ferreira, Prof. José Pires 52452
Posto Público- Domingos Lopes Amoreira 52326
Sequeira, Mário Cardoso 52277
Soares, Manuel 52512
Compare com a actualidade e veja
as diferenças.
publicado por valverdinho às 09:27
link do post | favorito
Sexta-feira, 11 de Abril de 2014

de outros tempos?

Tenho vindo a fazer umas buscas nos mais antigos números do Jornal do Fundão.Em 9 de Junho de 1946 o Correspondente em Valverde escrevia o seguinte: “A população rural desta aldeia luta com tremendas dificuldades alimentares. A falta de pão faz-se sentir de maneira particularmente grave pois alguns jornaleiros têm deixado de ir trabalhar por não terem o pão necessário à sua alimentação.É digna de louvor a atitude do grupo de pessoas que abriu uma subscrição a favor dos mais necessitados.A receita total ,cerca de quatro contos e quinhentos,foi distribuída em dinheiro e géneros por mais de cem famílias. Oxalá que tão belo exemplo se não perca e aqueles a quem a miséria não afronta continuem a prestar aos seus conterrâneos menos afortunados o carinho e auxilio que merecem”.
E,também,em 20 de Novembro de 1949 escrevia o seguinte : “ como aconteceu no ano passado por esta altura saíram da nossa terra ,na última semana ,contratados para a colheita da azeitona da província do Ribatejo ,perto de uma centena de trabalhadores – homens e mulheres – em procura de sustento ,que a crise de trabalho e dos salários da nossa região não garantem”.
publicado por valverdinho às 09:05
link do post | favorito
Quinta-feira, 3 de Abril de 2014

dia da feguesia

Hoje é dia 3 de Abril ,Dia da Freguesia.É bom que se lembre para que alguns não possam esquecer.
publicado por valverdinho às 08:40
link do post | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Maio 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
31


.posts recentes

. Centenário

. Aviso à navegação

. coisas simples

. Sinais mudos dos tempos

. Bom humor

. MPF Memória

. o jogo do pião

. Grande Lição

. Tristes figurantes

. orgulho de valverdenses

.arquivos

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Novembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Maio 2017

. Março 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Outubro 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Setembro 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Novembro 2012

. Setembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

blogs SAPO

.subscrever feeds