Segunda-feira, 24 de Dezembro de 2007

Conto de Natal; de outro Natal

Há natais que se recordam com saudade por uma ou outra coisa; também há aqueles que se esquecem rapidamente, porque algo correu mal e são para esquecer. Mas nas famílias pobres não há diferenças, são todos iguais. A comida é igual à dos outros dias, não está a família reunida, não se conversa sobre o que aconteceu durante o ano e não se comemora o Natal de uma maneira especial.

Numa noite dessas especiais, uma família comemorava assim o Natal. Foram à missa do Galo e estiveram ao pé do madeiro quase como uma obrigação, não o fazendo como sendo uma tradição ou uma comemoração, mas fazendo por fazer.

Quando, já tarde, chegaram a casa e no presépio iriam colocar o menino que já havia nascido, já lá estava colocado um menino pequenino, rechonchudo, rosado, a beleza em pessoa!

 Não era o da família, quem O teria lá posto? Se entraram em casa, teriam levado alguma coisa? Quem foi que o pôs lá?

A filha mais nova não ficou intrigada. Tinha apenas três anos, foi a única pessoa da família que não pensou nisso e apenas exclamou:

- É tão bonito! – E logo a família parou de pensar e começou a olhar para o menino que parecia que sorria para eles, como se aquela família fosse o Mundo.                                                                     E sorria, sorria… Acharam que aquilo foi um milagre. Mas, não. Foi apenas um sinal.

Aquele menino continuou naquela família durante todo o sempre e aquela história era contada para que nunca se esquecesse o significado de Natal.       

M.A.C. (11 anos)

 

publicado por valverdinho às 19:35
link do post | favorito
|
1 comentário:
De terrasgondomil a 28 de Dezembro de 2007 às 15:33
Linda história. Cumprimentos e Bom Ano 2008


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Maio 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
23
24
25
26
27

28
29
30
31


.posts recentes

. Trocar por miúdos

. Até as cegonhas,Senhor !

. pensar em alternativas

. os presentes dos passeios

. desenganos

. santoro

. Tenham vergonha !

. proposta de passeio

. Correção de data

. 40 anos de Eleições Autá...

.arquivos

. Maio 2017

. Março 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Outubro 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Setembro 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Novembro 2012

. Setembro 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

blogs SAPO

.subscrever feeds